domingo, Agosto 17, 2008

1508 - oi, balada prós goe

Era alta madrugada,
já cansado da jornada,
eu voltava pro meu lar.
Quando apareceu no escuro,
me encostando contra o muro,
um ladrão pra me assaltar.
Com o revólver no pescoço,
ainda expliquei pro moço,
tenho um filho pra criar.
Sou arrimo de família,
leva tudo me humilha, [leva tudo, me humilha?]
mas não queira me matar.
Ave Maria, aleluia, Ave Maria.
Mas o homem sem piedade
um escravo da maldade,
começou me maltratar. [começou?]
Pra ver se eu tinha medo,
antes de puxar o dedo,
ele me mandou rezar.
Eu nunca tinha rezado,
eu que era só pecado,
implorei por salvação.
Elevei meu pensamento
e descobri nesse momento,
o que é ter religião.
Ave Maria, aleluia, Ave Maria.
Um clarão apareceu
minha vista escureceu
e o bandido desmaiou.
E morreu não teve jeito,
com uma flecha no peito,
sem saber quem a atirou.
Nesta hora a gente grita,
berra, chora e acredita, [nessa hora, qual hora?, estava a ser humilhado e maltratado, não era?]
que um milagre aconteceu.
joelhos na calçada
perguntei com voz cansada,
quem será que me atendeu.
Ave Maria, aleluia, Ave Maria.
Já estava amanhecendo,
a alegria me aquecendo,
quando entrei na catedral.
Cada santo que eu via
eu de novo agradecia
e jurava ser leal,
Veja o santo de passagem,
não me toque nas imagens,
me avisou o sacristão.
Pois lá ninguém explicava
uma flecha que faltava
na imagem de São Sebastião.
Ave Maria, aleluia, Ave Maria.

1 Comments:

Anonymous Anónimo said...

...please where can I buy a unicorn?

terça-feira, Novembro 24, 2009 3:40:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

não é o fim, nem o princípio do fim, é o fim do princípio