domingo, Janeiro 05, 2014

001/2014 - eu,zé... eu,sébio

Que a terra LHE seja leve...

quarta-feira, Março 13, 2013

002/2013 - O Papa Paco (ou Xico)

Alguns leitores perguntar-se-ão (perguntar-me-ão) «'pera aí, mas o nome que o novo Papa escolheu não foi Francisco?»
Foi.
Os Franciscos em castelhano, normalmente, são chamados Pacos (em português são Xicos, por uma questão fonética [nenhuma criança consegue pronunciar a palavra Francisco])
E é Paco, porquê?
Temos de recuar a São Francisco de Assis, aos franciscanos, às ordens mendicantes, à "pobreza franciscana" como então se dizia, como, infelizmente, dizemos, hoje.
Francisco foi o pai de uma nova comunidade, uma nova forma de sentir e viver a religião, em latim: Pater Comunitas.
Paco, portanto.
Sinal dos tempos, um jesuíta - a Companhia de Jesus é a mais esclarecida, a mais culta e a mais bem  prepararada "ordem" cristã - escolher como nome,  como exemplo, como caminho a seguir, São Francisco de Assis... 

segunda-feira, Fevereiro 04, 2013

001/2013 - Ai repete, repete

Dizem que a história (a História, se preferirem) não se repete, ai repete, repete...

quinta-feira, Dezembro 06, 2012

011/2012 - óscar, um cara viciado em beleza e futebol (comunismo, também)

Há pessoas que só se lembram de alguém na morte.
As pessoas importantes são as que cuidam, acarinham e amam os vivos.
Falam das pessoas que vivem... preocupam-se com elas.
Seria interessante passar os olhos pela "blogosfera" portuguesa, hoje, e ver os que choramingam com a morte de Óscar mas antes nunca tinham falado dele, nunca lhe tinham dado um abraço.

quinta-feira, Agosto 30, 2012

010/2012 - reflectindo da água a serena mansidão do céu


Fazem-se as pazes com um ensopado e o que lá vai lá vai, que o que a gente quer é saúde e águas passadas não moem moinhos   p. 99
E o que lá vai lá vai, que águas passadas não moem moinhos e o que a gente quer é saúde a a ajuda de Deus Nosso Senhor!   p. 214
Não sabia o que houvera, mas palavras levava-as o vento e águas passadas não moíam moinhos   p. 267

sábado, Julho 14, 2012

009/2012 - a construção de identidades coletivas e o seu confronto com o pluralismo dos territórios

O que levará um jornal como o Expresso a publicar uma História de Portugal, esta História de Portugal?
Talvez a resposta esteja numa frase que Rui Ramos escreve no prólogo: 
Porque a História não é só um acervo de conhecimentos, mas uma maneira de pensar.
Nestes conturbados tempos em que vivemos com cursos de engenharia obtidos via fax num domingo ou com doutorices obtidas por equivalência, sabe bem ler sobre a nossa História.
O povo que fomos, o povo que somos.
Rui, Nuno e Bernardo enquadram-se numa nova geração de historiadores (nos quais, humildemente, me incluo) que procura olhar o passado não como um aglomerado de cacos velhos mas sim como o presente (acontecido) de pessoas que construíram panelas,  recipientes que lhes eram úteis, que tinham uma finalidade definida.
Em boa verdade, aquilo a que chamamos passado já foi presente...

segunda-feira, Junho 11, 2012

008/2012 - um génio, quando adivinho rima com mourinho

Eu não considero.
Considero Cristiano Ronaldo melhor que Ibrahimovic.
Considero que tanto Cristiano Ronaldo como Ibrahimovic perderam... são ambos capitães nas seleções que representam e valem ambos zero; zero pontos.
Considero que tanto um como outro foram treinados e acarinhados, muito acarinhados pelo adivinho que se adivinha no título.
Considero que o adivinho não adivinhou.
O adivinhador provocou dor, não no madeirense, não no sueco.
Provocou dor num ucraniano chamado: Andriy Mykolayovych Shevchenko.
(não o convocava, não o punha a jogar, estava velho e acabado; dizia o adivinho)
Hoje Andriy (com 35 anos de idade) provocou-lhe um traumatismo ucraniano... com um treinador a sério, um Villas-Boas ou um Di Matteo, por exemplo, o ucraniano teria sido campeão europeu; no Chelsea.

segunda-feira, Junho 04, 2012

007/2012 - bocados de nós

Houve um tempo, antes dos computadores, onde as pastas e os ficheiros eram feitos em papel, com letra desenhada a tinta. 
Houve um tempo em que os arquivos mortos respiravam vida...

terça-feira, Maio 01, 2012

006/2012 - ir


terça-feira, Março 27, 2012

005/2012 - foi na rua dos cascalhos, em tramagal

É doente, coitadinho...
Lídia queria aquilo que todas as mães querem, que os filhos sejam felizes.
Neste caso, a felicidade passava por medicamentos para tratar/controlar a doença que atormentava e atormenta Paulo mas quando o dinheiro é pouco as mães têm de fazer opções, entre o pão e o comprimido.
Agora, todos terão uma opinião e uma explicação mas para Lídia será tarde demais.

domingo, Março 25, 2012

004/2012 - mão que dá o pão, dá a educação


quinta-feira, Março 01, 2012

003/2012 - polónia, zero; república portuguesa, três (invioláveis)

Há jogadores que valem pelo que são, por aquilo que representam, pelo sorriso tímido que nos mostram; outros parecem burros a escoicinhar, julgam-se os melhores do mundo por um golo às arrecuas.
Vemos no título do post, Polónia, zero; zero que (São) Patrício nos garantiu, lemos, ainda, república portuguesa, três (invioláveis).
Numa linguagem popular (quiça criticável) diríamos que a selecção da república não logrou tirar os três à Polónia
Três que não foram colhidos na premissa contrária, apesar de contarmos com o melhor jogador do mundo e arredores.
¿por qué?

quarta-feira, Fevereiro 15, 2012

002/2012 - mais que um clube, uma equipa vestida de esperança

Foi uma equipa vestida de verde, a que ontem deu mais uma alegria aos milhões de adeptos que, por todo o mundo, apreciam o futebol mágico (link) do clube da Catalunha.
Em menos duma semana (entre 8 e 14 de fevereiro) o Barcelona disputou três jogos (o Real Madrid jogou um) e venceu dois. Com um score de sete golos marcados e, apenas, quatro sofridos; importa realçar que dos sete golos marcados nenhum foi de penalty.
Para compararmos, dos 27 golos que CR7 leva nA Liga, dez foram obtidos da marca de 11 metros, dos 23 de Messi, um; assim, sem penaltys, a classificação seria: Messi 22; CR7 17.
Quando se iniciou esta época futebolística, Real Madrid e Barcelona disputavam entre eles quatro troféus: a Supertaça de Espanha, a Taça do Rei, A Liga e a Liga dos Campeões, para além destes o Barcelona disputava, ainda, a Supertaça Europeia (que venceria frente ao FC Porto) e o Mundial de Clubes (que venceria frente ao Santos ).
Ontem no Record (p. 40) Nuno Farinha escrevia: Mourinho vai interromper o ciclo dominante do Barcelona (...) é preciso ter muita competência e muito estofo para conseguir sair vivo de tanto combate. E ele sai sempre.
Vejamos... até agora, Mourinho perdeu a Supertaça de Espanha para o Barcelona, empatando um jogo e perdendo outro; foi eliminado pelo Barcelona da Taça do Rei, perdendo em casa e empatando fora e perdeu em Madrid para A Liga, total cinco jogos, três vitórias do Barcelona (duas delas em Madrid) e dois empates.
Reformulo a frase do Nuno: Mourinho vai interromper o ciclo dominante do Barcelona não sabemos é quando (...) seria preciso ter muita competência e muito estofo para conseguir sair vivo de tanto combate. E ele perde sempre.

sábado, Fevereiro 04, 2012

001/2012 - um blog que (me) marca

Um blog é, de algum modo, uma marca.
Pode ou não ser marcante.
Para quem o elabora e alimenta é-o, certamente.
Este blog vai completar em maio, sete anos, sete anos de palavras e imagens, umas mais pensadas que outras, umas doces, outras amargosas.
A última vez que escrevi, aqui, foi em dezembro de 2011, mais de um mês (pela primeira vez) sem escrever.
As vossas saudades não foram muitas, eh, eh, eh, acredito que alguns até estivessem aliviados... finalmente (terão pensado).
Mas não.
O santamargarida.blogspot.com continuará enquanto amar escrever nele, enquanto me der gozo; amargoso, portanto (ou talvez não).
Deixo-vos com um vídeo qua adulterando uma conhecida cosmogonia poderia ter este título: primeiro que tudo houve o caos e depois a marca de peito ingente suporte inabalável de tudo quanto existe

quinta-feira, Dezembro 29, 2011

0140/2011 - gostar de constância, a sério

É pela língua que sabemos o mundo.
A língua é o nosso primeiro tacto, os bebés sentem o mundo saboreando-o, levando-o à boca.
Nestas duas frases encontramos, já, duas ideias fortes deste post; o saber e as bocas, mandar bocas...
A ideia principal, é, no entanto, a língua e o uso que lhe damos.
Na língua inglesa existem  as palavras history e storie.
History é a História com toda a carga que História com h grande encerra, a História feita pelos historiadores, por aquela malta que estudou, os doutores.
Storie é a história com h pequeno, estória como alguns lhe chamam, o vamos contar histórias, histórias da carochinha, histórias de embalar (de enganar).
Vem isto a propósito do post anterior, os documentos estão lá para serem lidos e interpretados.
O povo não gostava do nome Punhete que soava a obsceno. a Câmara pediu, por isso à rainha que o mudasse. 
Documentos que sustentem esta afirmação existem? Onde estão? 
(...) a rainha (...) distinguiu a vila com o honroso título de Notável, passando assim a designar-se Notável Vila da Constância. 
Inclinamos a revista, vemos o que está escrito no decreto reproduzido e lemos (linha 15): Notavel Villa da Constancia; pode parecer um pormenor mas a História é feita de pormenores.
Da e não de, como depois o tempo e o uso acabaram por corromper e consagrar.
Como podemos constar no documento do post anterior o tempo foi curto e o uso diminuto, passados, apenas, vinte dias era publicado no Diário do Governo, linhas 4 e 5; Villa de Constancia e Concelho de Constancia, de e não da, como o tempo e o uso não tiveram oportunidade nem de corromper, nem de consagrar, simplesmente, porque o da do decreto inicial é uma simples gralha... dah!
não é o fim, nem o princípio do fim, é o fim do princípio