quarta-feira, abril 16, 2008

1280 - quatro vírgula cinquenta litro

Não é o preço do petróleo.
É o preço de uma bebida africana (luso-africana se preferirem) que resulta de cereais levedados e água, um litro dessa bebida custa no supermercado da vila 1,29 euros... na esplanada onde aquelas palavras foram escritas: «Centro Náutico de Constância» (vila nova da barquinha era ironia que o autarca barquinhense nem para a inauguração da coisa foi convidado) dizia, naquela esplanada 0,20 l da beberagem custam 0,90 €, 4.50 € l, portanto, isto numa câmara comunista.
O camarada Jerónimo propõe um ordenado mínimo de 426, 50 €.
Uma família de quatro pessoas, o Manel empregado da câmara, 52 anos, a Joana empregada de limpeza, 50 anos, a Joana técnica informática, 21 anos, o Tiago estudante universitário 19 anos se cada uma destas pessoas fizer uma coisa normal no final de um dia de trabalho, dirigir-se a uma esplanada, beber uma bebida ancestral... aconselho-os a não frequentarem o local acima referido, sobrar-lhes-iam sempre cinco dias a seco... já para não falar na paz, no pão, habitação, só há liberdade a sério quando se chular ao estado em proveito do povo e não em proveito dos ricos, ou seja, aquela estrutura muito bonitinha construída com o dinheiro dos meus impostos (e dos seus, leitor) é p'ra malta de Lisboa, p'os turistas... não é para as pessoas que aqui vivem, que aqui enterram os seus mortos, que aqui tentam sobreviver...

3 Comments:

Blogger João B. Pico said...

E diz-nos o Pedro Oliveira que vai fazer 40 anos?!
Mas não tem andado pelo Médio Tejo, pois não?!
Se os ilustres munícipes da ComUrbe do Médio Tejo - penso que ainda existe - nunca quiseram perceber onde os ilustres autarcas de Abrantes, Barquinha e Constância conseguiram encontrar acordo para enaltecer o programa Valtejo ( Valtudo, seria mais apropriado), para "enterrarem" 60 milhões de euros, por que raio havíamos agora de ligar a essa coisa mixuruca da cerveja a 4,50 € o litro?!
Com 60 milhões tinham feito logo o açude insuflável entre as ilhas do Castelo de Almourol e a ponte pedonal à volta e a outra em Constância e ainda sobrava electricidade para os 3 concelhos e já não era necessário outros 95 milhões para fazer a nova barragem!
Nesse tempo valia o politicamente correcto, não era?!
Ouvisse ontem o João Salgueiro na SIC-N arrasar o pensamento económico dominante no país, onde todos perseguem e vilpendiam o "empreendedorismo", que jamais foi estimulado nas escolas...
O nosso "empreendedorismo" baseia-se na cunha, sempre actual e verdadeira safa nacional...
Ainda agpora saíu um coelho da cartola e até foi de mota!...
Depois a malta bebe é imperiais!
Não é garrafas ao litro...
Modernize-se meu caro...

quarta-feira, abril 16, 2008 6:37:00 da manhã  
Blogger Rosa Oliveira said...

Caríssimo Pedro, na sua idade (em qualquer idade), a cerveja faz mal.
Beba água, de preferência das fontes (pois!, já devem ter acabado com elas, para construir parques ambientais...),porque na esplanada é capaz de lhe custar 1 euro (onde raio é a tecla?????).

A Joana é a técnica de informática que não chegou à universidade? Mais provável é termos um Tiago técnico de informática e uma Joana a estudar na capital. Se eu tivesse escrito isto, assim, seria. lol

Fui pesquisar a tal estrutura, bem bonitinha, a paisagem... mas há melhores.

quarta-feira, abril 16, 2008 9:50:00 da manhã  
Anonymous manuel marques said...

Deixe o pessoal gastar aí o pilim.Se não for aí, a malta vai gastá-lo là para o Hawai,Brasil ou outro local exótico.
Crise ?

quarta-feira, abril 16, 2008 6:58:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

não é o fim, nem o princípio do fim, é o fim do princípio