quarta-feira, outubro 13, 2010

391/2010 - paulo, o ganhão

- Professor Zé Pedro, posso contar a anedota do poupadão?
- Podes, Manuela, claro...
Lembrei-me deste diálogo a propósito do título do post.
Paulo é um ganhão em todos os sentidos, mesmo no sentido não dicionarizado.
Ganhão como sinónimo de vencedor, ganhador, ganhão como o cavador que cava mais fundo ou do touro que levanta a cabeça para marrar; tapada de ganhão é um grito de revolta.
As vitórias de Paulo, são vitórias minhas.
Estive lá, no estádio, vi Paulo despedido por um empate num jogo internacional, não o queria despedido... mas quero que se despeça.
-Paulo, ouve-me, rapaz...
Despede-te.
És o treinador mais vitorioso de sempre do futebol português.
Dois jogos, duas vitórias, seis golos marcados, dois «eduardos» sofridos.
Despede-te.
Agradece muito a oportunidade, sorri e diz: bem sei que fui uma segunda escolha, provavelmente, Mourinho teria feito melhor que eu, escolham então um treinador que fale daquilo que faria e não um treinador, como eu, que mostra aquilo que faz... boa sorte praa a selecção, foi um prazer ter vencido todos os jogos em que conduzi/orientei/treinei Portugal.

3 Comments:

Blogger noone said...

ridiculo mais ridiculo que tu não há!!!!

quarta-feira, outubro 13, 2010 2:51:00 da tarde  
Blogger manuel marques said...

Venham os próximos que o Paulo trata deles.

Abraço.

quarta-feira, outubro 13, 2010 8:32:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Como diria o outro:
" e o burro sou eu! "

sábado, outubro 16, 2010 7:54:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

não é o fim, nem o princípio do fim, é o fim do princípio