quarta-feira, maio 17, 2006

347 - quando os olhos se molham

Há pessoas que padecem duma doença chamada: inveja.

Camões, tcharam... termina os Lusíadas com a palavra inveja, mas, (há sempre um mas) refere-se à falta de inveja [sem que Alexandre de Aquiles tenha inveja].

Anda meio mundo a citar o final dos Lusíadas e afinal aquilo que Camões escreveu foi que somos um povo sem inveja.
Eu não a possuo, julgo que a inveja é um sentimento provocado pela falta de auto-estima.
Já vos confidenciei aqui as minhas correrias, há alguns anos que atravesso a ponte a correr (mini maratona) normalmente, os primeiros, passam por mim entre o museu da electricidade e a estação de comboios de Belém (eles após quase 20 Kms, eu cerca de 6) dizia, passam por mim com uma velocidade fantástica, enquanto eu me arrasto, olho-os sempre com um ar sobranceiro e penso: se eu quisesse, havias de ver... [isto não é inveja, é uma confiança ilimitada nas nossas capacidades, aquele rapaz do Quénia só ganha a corrida porque eu deixo, pois, se eu quisesse treinar e tal, tornar-me-ia uma Vanessa Fernandes versão macho.]

Todo este desperdício de palavras, para falar num amigo e no livro dum amigo, tal como Pessoa, deixo-te esta mensagem:

«Todo começo é involuntário.
Deus é o agente.
O herói a si assiste, vário
E inconsciente.

À espada em tuas mãos achada
Teu olhar desce. "Que farei eu com esta espada?"
Ergueste-a, e fez-se.»

Quem te viu e quem te vê...

Vou parar para não molhar o teclado [um homem, também, chora], fico/estou muito feliz por ti, por mim e por todos os bichinhos que nascem dentro das maçãs, olham em volta e descobrem que, provavelmente, haverá vida nas outras maçãs e nas outras macieiras, há quem nos tente matar com pesticidas, ou normalizar em caixinhas ridículas...

... as verdadeiras maçãs sabem a Sol e a Terra, não têm corantes nem conservantes, possuem dentro delas o bichinho que se interroga e que procura saber, o que será...

... a ética em enfermagem

2 Comments:

Blogger Alien David Sousa said...

Adorei o texto, e tive, tive mesmo de rir: " aquele rapaz do Quénia só ganha a corrida porque eu deixo"
Concordo contigo,a inveja é falta de auto.estima.
bjs

quarta-feira, maio 17, 2006 3:57:00 da tarde  
Blogger Shariar said...

Caro Pedro: Estou sem palavras, não para te agradecer a publicidade mas para enaltecer a nossa amizade. Só um grande amigo tem tamanha generosidade. Vou continuando a saborear a minha madeleine, embebida em chá de flor de jasmim, e a reviver momentos que ninguém me poderá roubar. Entre o aqui e o agora ainda nos havemos de encontrar uma ou duas vezes. JV

quarta-feira, maio 17, 2006 11:49:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

não é o fim, nem o princípio do fim, é o fim do princípio