domingo, fevereiro 28, 2010

80/2010 - o presente do indicativo do pedrérito imperfeito




No princípio era o verbo, foi o verbo.
Um dos tempos verbais é o pretérito imperfeito, a um pretérito imperfeito por mim conjugado, com alguma liberdade linguística, chamar-lhe-ei: pedrérito imperfeito; assumindo a mimha imperfeição.
É o verbo, a palavra que salva e condena.
É na comunicação que adquirimos substância.
No post anterior perguntei: para que serve um blog; um blog é de algum modo a imagem de quem o escreve, daquilo que é, daquilo que mostra, das bandeiras que empunha, dos gritos que solta, dos silêncios que assume... um blog é (ou deveria ser) um graffitti de cidadania numa parede de apatia.
Um blogger (como eu o entendo) é um cidadão atento que deverá contribuir para a construção duma sociedade melhor, mais participada, mais justa.
A cidadania como eu a entendo não é postar queixinhas no blog; é alertar as autoridades competentes e contribuir, activamente, para a resolução de problemas.
Infelizmente apesar de todos os esforços para ser um cidadão melhor, sou, apenas, um gajo como qualquer outro, com muitos defeitos e algumas qualidades.

3 Comments:

Blogger Rosa Oliveira said...

Este comentário foi removido pelo autor.

domingo, fevereiro 28, 2010 5:24:00 da tarde  
Blogger pedro oliveira said...

«Se a Maria escrever no blogue que a Beatriz, foi à festa do Pedro com um vestido igualzinho ao dela, está a fazer queixinhas, certo!? Ora, por que é isso,, menos importante que ficarmos a saber que gosta de alterar a sintaxe? Ou que se exalta, enquanto comentador e, em seguida, regressa desculpando-se?»

Cara comentadora,

Cada um de nós preocupa-se com aquilo que julga importante.
Uns preocupam-se com grandes temas como a vida e a morte, outras preocupam-se com vestidos iguais em festas.
As fotografias que «postei» nada significam por elas próprias.
A disponibilidade para alertar os bombeiros e depois para ajudar, fisicamente, a prevenir futuros acidentes poderá significar alguma coisa.
Uma placa daquelas levada por ventos fortes e atingindo uma criança era/seria morte certa.
Continue a preocupar-se com vestidos pela minha parte continuarei a preocupar-me com outras questões.

domingo, fevereiro 28, 2010 6:26:00 da tarde  
Blogger Rosa Oliveira said...

Este comentário foi removido pelo autor.

domingo, fevereiro 28, 2010 6:38:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

não é o fim, nem o princípio do fim, é o fim do princípio