domingo, agosto 28, 2011

0123/2011 - antes o touro da morte que tal sorte

antes o poço da morte que tal sorte, canta-nos sérgio: 
como no poço da morte
a gente gira contra ventos e marés
e tempestades e tornados
como os miúdos teimam
em ficar acordados
e lutam contra o sono
com os olhos arregalados
assim nós também p’ra lá da fadiga
giramos acordamos e dizemos:
eu tenho a morte toda p’ra dormir
nós temos a morte para dormir mas temos a vida para ficar acordados.
porque será que num portugal livre e democrático, não temos acesso a ver barrancos, a ver as festas de barrancos, a ver as pessoas que vivem e os touros que morrem...
cada vez mais, estes tempos, que vivemos, se assemelham à paz podre que se vivia, no princípio do séc. XX, a paz podre que conduziu ao cruel assassinato do senhor dom carlos, aos sanguinolentos anos da primeira república e aos sinistros e tenebrosos anos do estado novo, salazarento.
uma das primeiras medidas de salazar, o decreto 15.355,  de 14 de Abril de 1928, proibia os touros de morte.
o inefável, ex-militante, do mes [movimento de esquerda socialista], jorge sampaio, o bonacheirão, primeiro-ministro dialogante e pantanoso, antónio guterres, e o "quem se mete com o ps [partido socialista] leva", jorge coelho, cozinharam com o apoio e suporte logístico do partido comunista português (à época poder autárquico em barrancos) a lei da excepcionalidade.
é proibido matar touros,  excepto em barrancos, diz a lei.
diz a lei mas não no-lo mostram as televisões... e tanto que eu gostava deste espectáculo televisivo de final de agosto, os televisivos e oa animalescos (da associação animal) indignados; os barranquenhos na boa, bebericando vinho, comendo migas, sorvendo gaspacho, alheios ao mediatismo não solicitado.  
um post para meditarmos no que é (e porque é) notícia; no que não é (e porque não é) notícia.
um post, pretexto, para deixar um abraço solidário ao povo barranquenho, divirtam-se na fêra, camaradas, agora que vos deixaram em paz.

1 Comments:

Blogger manuel marques said...

Estou de volta,senti saudades.

Abraço.

segunda-feira, agosto 29, 2011 9:18:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

não é o fim, nem o princípio do fim, é o fim do princípio