sábado, abril 26, 2008

1295 - aldeões do mundo


A fotografia antes desta generalização despropositada das máquinas digitais e das máquinas incorporadas em telemóveis era uma arte mágica, os fotógrafos eram mágicos.
Na banalização perde-se a magia.
Continuo a utilizar máquina fotográfica com rolo, não utilizo programas informáticos para alterar as fotografias, elas ou valem por si ou não valem nada.
Há fotografias que não valem grande coisa, há ideias que valem muito.
Já sabem que não gosto de fotografias encenadas mas gosto muito desta ideia, reproduzir fotografias com legos.
Brincar como alicerce do processo criativo, criar como alicerce para a brincadeira.
Danados para a brincadeira, estes caras, que inspiraram o post.

7 Comments:

Blogger pedro oliveira said...

http://www.masters-of-fine-art-photography.com/02/artphotogallery/photographers/august_sander_10.html

sábado, abril 26, 2008 9:45:00 da manhã  
Blogger Rosa Oliveira said...

Este comentário foi removido pelo autor.

sábado, abril 26, 2008 12:26:00 da tarde  
Anonymous manuel marques said...

As aldeias e os aldeões, têm identidade forte e profundas.
Recupere-se a magia de brincar diz a Caríssima Rosa,infelizmente hoje hà crianças que não sabem o que è uma bola.

sábado, abril 26, 2008 7:10:00 da tarde  
Blogger Rosa Oliveira said...

Este comentário foi removido pelo autor.

sábado, abril 26, 2008 7:13:00 da tarde  
Blogger Rosa Oliveira said...

Este comentário foi removido pelo autor.

sábado, abril 26, 2008 8:01:00 da tarde  
Anonymous manuel marques said...

Ainda hoje nos anos de uma sobrinha, minha perguntei a um puto se sabia o que era uma bola,o puto muito espantado respondeu-me que sim,virando-se de imediato para o computador onde jogava uma partida de futebol (virtual) com um amigo...

sábado, abril 26, 2008 8:13:00 da tarde  
Anonymous manuel marques said...

(...) Ser adulto è ser cego.Boa gostei .
Força e divirta-se,boas fèrias.

sábado, abril 26, 2008 8:16:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

não é o fim, nem o princípio do fim, é o fim do princípio