segunda-feira, fevereiro 08, 2010

56/2010 - a república não respeita o povo, o povo não respeita a república



Não é o princípio, nem o princípio do fim... é o fim do princípio.
Olhemos estas três imagens.
Destaco a última, uma fonte a jorrar esperança, a projectar futuro, uma fonte, simbolicamente, seca.
Uma fonte azulejada a azul e branco, as cores da Monarquia, as cores de Churchill, que em 1945 acabara de vencer a guerra.
Azul e branco, cores de céu e paz, cores do blog Tramagal.
Destaco a última, dizia, pois, não foi fácil, obtê-la.
Quem conhece Tramagal sabe que existem ali carros, permanentemente, estacionados, procurei o enquadramento que me convinha e esperei, pacientemente.
Muito tempo depois o dono dum carro arranca, depois arranca outro...
Preparo-me para eternizar o momento.
Outro condutor surge, blá, blá blá, alguns sorrisos e dois autógrafos depois (tive de dizer que era para o santamargarida.blogspot.com) lá consegui enquadrar a coisa...
Enquadrar a coisa, como se aprisionar a liberdade dum céu, esplendorosamente, azul, como se captar um brancocremarelo, fosse fácil.
Como se fosse fácil, assumirmo-nos na dificuldade.
Sou monárquico.
Julgo que um Rei estaria mais perto de nós, do povo, de todo um povo que o ex-presidente dum partido.
A partir de 25 de Abril de 1974 todos [excepto os militares] os presidentes da república que tivemos (de suportar) são líderes de claque (um misto de diabos vermelhos e super dragões):
- Mário Soares; ex-presidente do Partido Socialista (PS)
- Jorge Sampaio; ex-presidente do Partido Socialista (PS)
- Cavaco Silva; ex-presidente do Partido Popular Democrático/Partido Social Democrata(PPD/PSD).
Destaquei a última, olhemos a primeira.
Um líder que despreza o povo.
Um cuspidor de bolo rei que cospe na república sufragada pelo povo; cumprimenta-se alguém a olhar para o lado?
O meu pai, a minha mãe, ensinaram-me a não o fazer.
Disseram-me:
Quando cumprimentares alguém olha-o nos olhos e aperta-lhe a mão com força.
Olho, outra vez, as imagens, vejo na primeira o ex-presidente do PPD/PSD a cumprimentar o actual presidente do PS, não como um chefe de estado, um Rei, cumprimentaria um eleito pelo povo, sim como uma adolescente inconsciente cumprimentaria um (mau) actor de telenovelas.
Olho o céu de Tramagal, a má educação e o enquadramento em azuis azulejos (é redundante, eu sei) olho tudo... e sonho com pontes, com educação, com paz e com compreensão.
Sonho com um futuro azul como o céu, como os rios, branco como a paz, como as páginas virgens, onde escreveremos o futuro.

7 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Para esse sonho se tornar realidade, o povo deveria respeitar o povo...

quinta-feira, fevereiro 11, 2010 9:18:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

o problema, é que um rei bem ou mal, também não tem o costume de cumprimentar o povo. um presidente, representa melhor um povo e respeita-o mais, pois precisa dele, e so e presidente devido ao voto do povo. ja o rei e sempre rei, nao precisa do povo, julga-se acima do povo, superior ao povo. ja o facto de o rei se dirigir as pessoas tratando-as como povo..mostra um sentimento de superioridade..pois se todos nos somos o povo...ele é o que?? e diferente do povo..é superior ao povo.

quinta-feira, fevereiro 11, 2010 9:39:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Sabem aquela anedota do Rei e o Filho?

Diz o filho para o pai:

Meu pai o Povo anda muito descontente e muito triste, passando muito mal onde até muita gente nem tem que comer.

Diz o Rei para o filho:

Meu filho, como vais tu lá por fora com as tuas aventuras românticas e tudo o resto?

Eu vou bem pai pois nada me falta.

E a nossa Guarda Real como está passando, perguntou o Rei ao filho.

A nossa Guarda Real está óptima bem apetrechada e tudo em ordem onde nada lhes falta.

Responde o Rei ao filho:

Então o Povo que se F*da.

sexta-feira, fevereiro 12, 2010 1:51:00 da manhã  
Blogger Rosa Oliveira said...

Este comentário foi removido pelo autor.

sexta-feira, fevereiro 12, 2010 8:26:00 da tarde  
Blogger pedro oliveira said...

anónimo 1, coloca o dedo na ferida.
Quando o presidente não respeita o povo, quando o presidente do conselho de ministros é escutado a desrespeitar o povo; quando eles não se dão ao respeito, resta-nos respeitarmo-nos.
O povo respeitar o povo como afirma, o povo, neste caso um educador do povo, o senhor professor buiça não assassinar a alma do povo - D. Carlos, o Rei pintor e cientista.
Estamos a tempo de olharmos o passado, concluirmos que fizemos mal, retomarmos a nossa História, naquele tempo, no tempo em que a assassinámos.
Estamos a tempo de projectarmos um reino próspero aliceçado no trabalho e na liberdade (não uma república de «facaltrueiros») um reino como a Suécia, a Dinamarca, a Noruega, a Holanda... estados onde a competência é premiada ao contrário desta socrática república.

anónimo 2, está um bocadinho confundido, Rei é povo, é garante do povo, é referente do povo... pela lei e pela grei; pela lei e por todos nós.

anónimo 3, a questão não é o povo que se f*oda; a a república que nos f*ode há cem anos... e nós batemos palmas e comemoramos

comentadora, o sonho não é uma acção mas a partilha do sonho é-a.
Se ninguém «have a dream» os sonhos jamais se concretizarão.

sábado, fevereiro 13, 2010 2:04:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Meu caro, da parte de comentador 1, às vezes temos a ilusão de partilhar sonhos e esquecemo-nos de verificar se os sonhos são só nossos na forma como os concebemos. Isso é grave em termos sociais e igualmente grave em termos individuais. Chama-se egoísmo ou falta de visão ou falta de inteligência emocional. Como preferir. O meu comentário não era uma anuência (gosto pouco de anuir, mais de arguir). Era uma triste constatação, assim qualquer coisa como um luto antecipado, eu que tanto aprecio antecipar as tempestades que se aproximam sorrateiras, mesmo em dias de sol como o de hoje. Passe um feliz dia dos namorados, com muitos sonhos.

sábado, fevereiro 13, 2010 3:47:00 da tarde  
Anonymous TXiNeLo said...

Olá Pedro!

Eu sou um comentador/visitante do ControVERSO.
Penso que a divergência e aquilo que apontas a outro blog como menos positivo. além de ser pouco correcto, é resultado de não conviveres por aqui, não andares por aqui, não perceberes a dinâmica de todos os dias que existe por aqui (não é negativo o que digo, é objectivo o que te quero transmitir sem qualquer intenção de te diminuir ou desvalorizar o "amor" e a "preocupação" que tens pelo Concelho que me parece obvia).
Tive a reler alguns posts antigos iniciais no controVERSO e encontrei este http://controversosm.blogspot.com/2009/10/na-vila-um-poema.html que penso que espelha um pouco da intenção que me parece contrutiva dos seus autores, e que se reflecte também na procura de mais justiça em Constância.
Não quero entrar na discussão do "anonimo" ou "assinado" contigo, o controVERSO é claro, o Conteudo é a unica PARTE IMPORTANTE, a ideia é de colectivo, e justiça seja feita, naquele blog RECENTE tem se colocado questões extremamente pertinentes, fez chegar informação aos Municipes que outrora nunca tinha acontecido... permite a quem acompanha com alguma regularidade aqueles espaço de conhecer muita da dinâmica práctica diária em Constância.

Terminava dizendo que a INTERNET é também um unstrumento MAIOR DE LIBERDADE (a todos os níveis), "olhar" para esta estrada de informação aberta na optica do utilizador é pura demagogia (na minha perspetiva). O que eu vi até agora publicado no controVERSO é OBJECTIVO, os comentarios são livres e da responsabilidade de quem os publica (mesmo não assindando, mas que apela á responsabilidade do autor para o impacto COLECTIVO que o (s) mesmo(s) possam ter) , e mesmo concordando contigo que alguns deles são "descargas pessoais" (e nisso temos que concordar que não é direcionado só para um lado ou para uma ideologia politica como dizes), terás que concordar e valorizar que a maioria dos comentários são SINCEROS, CRITICAS FORTES E CONSTRUTIVAS, e se algumas vezes a indignação se trasnforma em excesso, é também fruto de uma realidade que precisa e se quer DIFERENTE no presente e no futuro de Constância.

Abraço

domingo, fevereiro 14, 2010 1:30:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

não é o fim, nem o princípio do fim, é o fim do princípio