sexta-feira, abril 02, 2010

117/2010 - memória e festa


Ca(n)deia que vai à frente ilumina duas vezes, diz o povo.
Manuela é uma mulher luminosa, que nos ilumina, que me ilumina, pena que tenha sido eliminada destas festas... gostaria de a ver, de a ouvir a contar-nos o livro, recentementente, lançado.
Os avieiros são importantes, sem dúvida, mas em três dias, por certo, encontraríamos tempo para outras manifestações culturais.
Podíamos aproveitar as manhãs, não?
Com manhãs ou sem manhãs, a partir de amanhã, à tarde, Constância estará em festa... festejemos, então.

5 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Sublinhe-se a sua diplomacia, devemos sempre ter sempre como 1ª opção o beneficio da duvida (dentro de uma certa razoabilidade, é lógico). Constância, a nossa Constância, tem tanto em termos históricos para nos absorver a atenção durante os 365 dias do ano, mal seria (será) se passada esta quadra festiva com uma conotação muito específica, nada se fizer para alterar um pouco a abordagem aos nossos monumentos e pessoas que continuam a valorizar a componente artistica, memorial e monumental desta vila poema.
O Politico Residente

sábado, abril 03, 2010 11:34:00 da manhã  
Blogger TZ said...

Caro Pedro,
Passando ontem mesmo ali ao pé da cadeia que neste preciso momento estarão a abrir (é poético) e tem um logotipo de que gostei... bem, mesmo ali me lembrei de si, porque o tema das festas é o Centenário da República e pelas paredes de Constância multiplicam-se imagens de Guardas Repúblicanos sorridentes a correr com assustados monárquicos...
Boas Festas!

sábado, abril 03, 2010 3:39:00 da tarde  
Blogger manuel marques said...

As acções ficam com quem as pratica...

Abraço.

sábado, abril 03, 2010 8:13:00 da tarde  
Blogger Rosa Oliveira said...

Lá tenho de meter a colher...
tem de ser

Caríssimo Manuel as acções, desculpe, não ficam com quem as pratica. As ações são consequentes, pelo que, jamais podemm compreender-se apartadas dos sujeitos (dessa acção) e daqueilo que vão implicar... ainda que as consequências e, antes delas, as intenções (da acção), possam não ser, imediatamente, visíveis
bem, digo eu
posso estar enganada

sábado, abril 03, 2010 9:26:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

É verdade Manuela de Azevedo merece que Constância não se esqueça dela! Talvez a merecida homenagem não se enquadrasse nas festas da Boa Viagem mas se esteja a planear algo para o 10 de Junho, altura em que na minha opinião faria bem mais sentido.

Anocas

quarta-feira, abril 07, 2010 12:05:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

não é o fim, nem o princípio do fim, é o fim do princípio