segunda-feira, março 22, 2010

100/2010 - ainda alcolobre


Para o caso do Zé estar distraído, aquelas ruínas apesar de património nacional (julgo que não estou a cometer nenhuma gaffe), estão em terrenos de domínio privado, logo um contratempo para os possíveis «invasores». Não estou a defender (não recebo avenças por tal) a autarquía, mas penso que a única coisa que esta pode fazer (face à lei) é divulgar aquele património e tentar consecutivamente que as autoridades competentes decidam dar um parecer positivo para colocar a descoberto a referida "villa"(por ex. para além do dito balneário, existe a necrópole, o teatro, as campas das jazidas de exporação de ouro, os capitéis ainda ali enterrados, o cemitério, etc.) e depois preservá-la. Haja bom-senso e não critiquemos só porque sim.
O Politico Residente
Gosto de pessoas que utilizam a blogosfera para discutirem temas, assuntos e não pessoas.
A questão de Alcolobre interessa-me há muito tempo e já escrevi várias vezes sobre ela.
Atacar a câmara ou a junta de freguesia não me interessa nada, pretendo contribuir para a construção duma freguesia, dum concelho, dum país, dum mundo e em última análise dum universo e ainda mais além (não esqueçamos que temos um presidente astrónomo) melhores, mais fraternos, mais justos e sem correntes a acorrentarem o que a todos pertence.
Deixo um link (por curiosidade) para a Lei 169/99; já agora recupero o que escrevi em 2005 n' Abarca (Março de 2005, n.º170).

3 Comments:

Blogger Rosa Oliveira said...

Este comentário foi removido pelo autor.

terça-feira, março 23, 2010 12:59:00 da manhã  
Blogger pedro oliveira said...

Cara comentadora,

Se reler com atenção o seu comentário encontrarará nele a resposta pela qual anseia.

terça-feira, março 23, 2010 7:56:00 da manhã  
Blogger Rosa Oliveira said...

Este comentário foi removido pelo autor.

terça-feira, março 23, 2010 11:00:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

não é o fim, nem o princípio do fim, é o fim do princípio