sábado, abril 10, 2010

124/2010 - quando os polacos morrem na rússia

Grotescamente, trágico.
Parece que cada vez que escrevo sobre a Polónia e os polacos é para falar de morte, prometo que da próxima, falarei de algo mágico; a russa é, muito mais famosa, mas a poloca é, deliciosamente, melhor.

6 Comments:

Anonymous Luis Varino said...

Grotesco e também irónico, é o facto de a comitiva se deslocar à Russia para homenagear as vitimas Polacas do assassinato de Katyn em 41.

Os Polacos têm razão para considerar maldita aquela região do mundo.

Lamentável

sábado, abril 10, 2010 12:59:00 da tarde  
Blogger manuel marques said...

Tem que se morrer em qualquer lado...

Abraço.

sábado, abril 10, 2010 1:38:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

então e que comentário este post te merece ó sapiente Camelo? não tens palavras? se calhar se fosse sobre burros ou noras ou parques temáticos ou outros negócios de carácter de tez escura, por certo estarias mais à vontade... amélia do c******!

sábado, abril 10, 2010 2:28:00 da tarde  
Blogger pedro oliveira said...

Luís, foi isso mesmo que pensei.

Camarada, todos nós temos que morrer em qualquer lado e de qualquer maneira. Morrer de forma tão quente depois da guerra fria é irónico e trágico.

Pessoa anónima, maneire os comentários. Preferia que este «blog» não fosse utilizado para descarregar frustrações de índole política ou de outra qualquer proveniência.
Quando me falam de camelos lembro-me sempre que os camelos (os dromedários) podem viver três semanas sem beber... nesse aspecto não sou nada camelo, sou muito consciencioso com a minha hidratação; presumo que em Santa Margarida não existam muitos camelos, com tantos rios e açudes e assim é tudo malta que bebe bem.

sábado, abril 10, 2010 2:56:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Para que se saiba, em Katyn, em 1940, não aconteceu um mero assassinato, e, obviamente, foi antes da guerra fria.
Foi uma forma “subtil”(!) de eliminar a elite militar e politico-social polaca para facilitar o controlo do país.
O chamado “bloco do leste” do pós-guerra começou assim a ser formado, um massacre para dar o exemplo, mas também com assassinatos, prisões, ameaças, chantagens, corrupção e um controlo “Orwelliano” da vida privada dos cidadãos.
Afinal para quê?
A ironia é esta.

PS - Para saber mais, numa enciclopédia perto de si:
“O massacre de Katyn foi uma execução em massa de cidadãos da Polónia ordenada por autoridades da União Soviética em 1940.
Estima-se que o número de pessoas executadas seja de quinze a pouco menos de 22 mil.
Durante 4 décadas, os Nazis foram acusados pelo fuzilamento dos polacos, facto desmentindo pela abertura de documentos secretos.
Prisioneiros de guerra polacos foram assassinados numa floresta nos arredores da vila de Katyn, em prisões e em diversos outros lugares. Cerca de oito mil vítimas eram militares polacos que haviam sido tomados como prisioneiros na invasão soviética da Polónia em 1939, sendo o restante cidadãos polacos presos sob alegações de pertencerem a corpos de serviços de inteligência, espionagem, sabotagem, e também proprietários rurais, advogados, padres etc.”

sábado, abril 10, 2010 7:10:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Essa idoniedade é suspeita ó grande chefe, o Exmo. devia primar pela imparcialidade, fossem camelos, burros ou outros quaisquer animais irracionais (para além de outros ditos racionais, mas que pedem meças a tão nobres criaturas). É por atitudes desta índole que o seu espaço perde peso e amplitude. Com amigos como os seus, não precisa de inimigos, basta deixá-los ruminar neste prado de verde vestido. Pode apagar este comentário também.

sábado, abril 10, 2010 11:09:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

não é o fim, nem o princípio do fim, é o fim do princípio