domingo, julho 04, 2010

286/2010 - o uruguai que nós parimos


Ao olharmos o mapa da América do Sul constatamos, facilmente, que o Uruguai é a continuação natural do Brasil, sim, já foi Portugal.
A própria bandeira do Uruguai remete-nos para a nossa bandeira azul e branca, azul como o céu, branca como o caiado das casas, azuis e brancos como os olhos de Alejandra.
Por falar em casas, no Uruguai muitas casas remetem para Portugal, para uma construção, tipicamente, portuguesa.
O futebol não é só futebol, mas é, também, futebol, é por causa do futebol que estou a escrever este texto que não fala de futebol.
Fala de Portugal no mundo, fala no mundo em Portugal, especificamente, de três cidadãos uruguaios (Maximiano e Álvaro Pereira [nomes de raiz portuguesa] e Fucille) que ganham a vida em Portugal e, provavelmente, não sabiam que eram, de algum modo, portugueses.

4 Comments:

Anonymous Anónimo said...

É pá, não me diga que os pais desses srs. eram caixeiros-viajantes (como antes se dizia, após a gasta palavra «mercadores») ou as mães serviram como sopeiras nas casas-maiores de fazendas de café? Coitadinhos, com tanta gente por aquelas bandas, tinham que lhes calhar em sorte os pés-descalços do velho continente.

domingo, julho 04, 2010 12:46:00 da tarde  
Blogger manuel marques said...

Conceito de pirataria:
Um Barril de Rum para aquele que avistar terra por primeiro !


Abraço.

domingo, julho 04, 2010 3:05:00 da tarde  
Blogger pedro oliveira said...

Cara pessoa anónima (das 12H46),

Há imensa literatura sobre caixeiros-viajantes, recomendo-lhe a de Caldwell e Steinbeck (ambos estão traduzidos em português).
Se o tema lhe interessa recomendo-lhe «Ilha de Verão» de Caldwell,um tratado sobre o «caixeirismo que viaja» sobre a amizade e os valores que se não movem.
Mercar, mercadores é uma outra coisa.
Mercar é trocar,os mercadores, viviam de trocas, de aceitação, de confiança, de paz.
Os militares faziam a guerra, os mercadores criavam a paz...
Os emigrantes eram todos «pé descalço»,pata ao léu (patuleia) como ficaram conhecidos em 1846.
Havia escravatura em África antes do «retorno» dos europeus, tal como existia escravatura na América do Sul quandoos europeus lá chegaram.
Existe uma imensa literatura sobre os mimos entretinham as civilizações «pré-colombianas».
Se o texto que escrevi sobre a raiz portuguesa do Uruguai,assunto que considero pertinente e que mais cedo ou mais tarde virá referido na imprensa «séria», apenas, a remete para caixeiros-viajantes, mercadores e pés ao léu, provavelmente,a culpa é minha... não me fiz entender.

domingo, julho 04, 2010 11:47:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Amigo Pedro, não se exalte, estava a reinar, a utilizar o adjectivo que o caríssimo tanto gosta de apregoar. Compreendi perfeitamente o contexto do post. Tenha calma e continue o seu raciocinio, eu estou a apreciar particularmente.

segunda-feira, julho 05, 2010 12:06:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

não é o fim, nem o princípio do fim, é o fim do princípio