terça-feira, janeiro 12, 2010

20/2010 - as cores que creio

Azul e branco no céu.
Verde intuído na vegetação.
Negro, vontade, no homem e na mulher que trabalham, na criança que os admira, que os continuará.

2 Comments:

Blogger manuel marques said...

Nada Fica

Nada fica de nada. Nada somos.
Um pouco ao sol e ao ar nos atrasamos
Da irrespirável treva que nos pese
Da humilde terra imposta,
Cadáveres adiados que procriam.

Leis feitas, estátuas vistas, odes findas —
Tudo tem cova sua. Se nós, carnes
A que um íntimo sol dá sangue, temos
Poente, por que não elas?
Somos contos contando contos, nada.

Ricardo Reis

Abraço.

terça-feira, janeiro 12, 2010 7:25:00 da tarde  
Blogger Rosa Oliveira said...

Ufa! salvaram-lhe o «post»
Há falta d'um Caeiro, gozemos com um Ricardo Reis
esta fotografia é triste.
(Não vale a pena fazer um «post» sobre: Há fotografias tristes?, ok!?)

terça-feira, janeiro 12, 2010 8:41:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

não é o fim, nem o princípio do fim, é o fim do princípio